D2C: como o direct to consumer pode impulsionar os lucros da indústria?

Maria Vittorello | novembro de 2019

Quando pensamos nas indústrias, geralmente, as relacionamos como uma “fonte de fabricação” de produtos para outros estabelecimentos e distribuidoras. Porém, essa definição não cabe a todas elas. Confira o que é D2C e de que maneira suas práticas impactam as relações na cadeia de distribuição.

O que é D2C?

indústria D2C

A sigla D2C significa “direct to consumer”, que em português quer dizer “direto para o consumidor”. Como falamos acima, a indústria era relacionada apenas a uma parte do processo pelo qual passa um produto. Porém, com a prática D2C, todos os procedimentos e estratégias ficam por conta da própria marca, ou seja, é ela quem entrega suas mercadorias diretamente para o consumidor final.

É exatamente por isso que as empresas direct to consumer se diferenciam do varejo tradicional. Neste último, apesar de possuírem certa influência na experiência do consumidor – preços tabelados e regras de exposição de produtos, por exemplo – a indústria não tem o controle total de seus procedimentos. Contudo, no D2C, as marcas têm completo domínio sobre todos os seus processos, incluindo a relação com o cliente.

Mas isso não quer dizer que a empresa não possa mais recorrer a distribuidores e varejistas. Pelo contrário, esse canal direto entre indústria e consumidor acaba se tornando um auxílio para as vendas. Então, participar de todos os processos não significa ter exclusividade sobre suas ações.

E quais as vantagens do direct to consumer (D2C)?

indústria direct to consumer

Veja agora algumas vantagens da indústria D2C:

  • Redução substancial de custo;
  • Aumento da lucratividade da empresa;
  • Otimização de sua performance;
  • Melhor posicionamento da marca na internet e, assim, no mercado;
  • Aproximação da indústria com o consumidor, o que permite um atendimento mais humanizado e personalizado.

Ao possuir um controle maior sobre a cadeia de distribuição, a indústria pode reduzir, consideravelmente, seus custos. Isso acontece porque o canal direto de compra e venda pode eliminar alguns elementos intermediários. Por outro lado, estratégias de aquisição, engajamento e pós-venda devem ser colocadas em prática.

Uma empresa que deseja bons resultados precisa estabelecer um relacionamento com o comprador livre de barreiras e complicações. Por isso que os canais de atendimento no próprio site dão a segurança que o cliente precisa para poder prosseguir em sua jornada.

Por fim, um bom posicionamento na internet e nas redes sociais também ajuda as empresas a coletarem os dados certos. Através de uma relação de qualidade com o comprador, além de conhecê-lo melhor, a indústria poderá fazer as perguntas certas e utilizar os feedbacks para as próximas ações.

Não se esqueça de que o consumidor atual é informado e conectado e apenas bons preços e produtos não o satisfazem. Logo, ele optará pela marca que lhe oferecer uma melhor experiência

Os 4 S’s das marcas D2C

Provavelmente, você já ouviu falar sobre os 4 P’s do marketing e o que eles significam. Mas, o que você sabe sobre os 4 S’s? E qual a sua relação com as empresas direct to consumer?

Segundo um artigo da Forbes, as marcas D2C devem se atentar aos 4 S’s: serviço, solução, story (história) e social, ao invés dos famosos 4 P’s. Veja o porquê:

1. Serviço

indústria D2C e relacionamento com o cliente

Como vivemos em um mundo “instantâneo”, com milhares de informações correndo a todo momento, o comprador também busca por um atendimento quase que imediato. E, nesse contexto, serviços digitais e um ótimo suporte ao cliente já atuam como pré-requisito. Ainda mais com todos os processos funcionando sem intermediários.

Além disso, não se esqueça de disponibilizar uma plataforma de atendimento omnichannel. Com um bom desempenho dos canais online ou das FAQ’s para as questões mais simples, os operadores poderão focar em resolver as adversidades mais complexas. Tudo isso sem encontrar nenhuma barreira entre o problema e a solução. Assim, o comprador se sentirá seguro para prosseguir com a compra e, quem sabe, ser conquistado por seus serviços. 

2. Solução

Sabemos que a grande concorrência no mundo dos negócios obriga as marcas a apresentarem diferenciais, caso queiram se destacar e alcançar bons resultados. Porém, nesse caso, dar soluções é muito mais efetivo do que apresentar vantagens. Por quê?

É simples. Toda indústria apresenta benefícios. Pensemos agora em uma marca de óculos. A empresa “x” oferece descontos na primeira compra em seu site ou loja física. Mas, o cliente não tem tempo de ir até o estabelecimento e, convenhamos, comprar óculos pela internet é complicado. 

Aí aparece a Warby Parker e oferece aos compradores a chance de experimentar vários pares de óculos em sua própria casa. E os modelos que o consumidor não gostar é só devolver. Assim, comprar um óculos se torna muito mais fácil.

Por isso, sua indústria deve entregar soluções no lugar de vantagens. Desenvolva suas ações para melhorar a experiência do cliente.

3. Story (História)

Ganhar a atenção do consumidor se tornou muito mais difícil com a grande concorrência entre as marcas. Além disso, a enorme circulação de informações disponibilizou às pessoas um consumo simultâneo de conteúdos e propagandas. Porém, não é todo material que chama a atenção do consumidor.

Logo, as empresas devem comover o cliente com histórias relevantes se quiserem o mínimo de atenção. Assim, expor seus valores e ideologias pode aproximar seu público-alvo. Então, lembre-se: mais histórias e mais conexões também geram mais vendas!

4. Social

D2C & social media

Assim como as relações entre marcas e clientes mudaram, a maneira como eles encontram produtos e serviços também se alterou. Ao contrário do que ocorria no passado, o comprador de hoje é o principal responsável por encontrar marcas e promoções. Através de pesquisas na web e de seu status online nas redes sociais, ele descobre se tem ou não afinidade com determinada empresa.

Por isso, é extremamente necessário se colocar ativo e visível para o público que você deseja alcançar. Produza conteúdos relevantes e mantenha suas postagens em dia. Assim, o consumidor se sentirá mais próximo de sua empresa e poderá fechar várias compras com você.

Conclusão

Como falamos no decorrer deste artigo, o antigo modelo de indústria que conhecemos não é o único no mercado. Desse modo, o sistema direct to consumer chegou para aproximar, significativamente, as relações entre fabricantes e clientes finais.

Assim, a indústria D2C tem uma ótima “carta na manga”. Como todos os seus processos são controlados pela própria empresa, o relacionamento com o cliente é um importante diferencial.

Portanto, com boas estratégias, sua indústria poderá manter uma ótima relação com o consumidor, desde o atendimento até o pós-compra. Então, estude nossas dicas e nunca se esqueça da parte mais importante de qualquer negócio: o cliente.

Maria Vittorello